Este blog não tem fins lucrativos e deve ser citado se suas informações forem utilizadas. Todos os direitos reservados.
(c) All rights reserved.

sábado, 12 de janeiro de 2008

Antecedentes e raízes açorianas: séculos XVI-XVIII

Algumas notas à pesquisa





Desde seu surgimento, a linhagem que desencadeia os numerosos ramos da família Tostes no Brasil e em Portugal continental, particularmente no ramo “Dias Tostes”, principal dentre eles, tem uma origem obscura. Os Tostes mais remotamente documentados no arquipélago açoriano são detectados a partir do último quartel do século XVI. Contudo, seu rastro ainda não fornece uma pista exata sobre o grupo que se fixou, e se tornou cabeça duas ou três gerações depois, com a descendência de Sebastião Gatto Toste e sua esposa, Maria Fernandes da Costa.

Este casamento, realizado por volta da primeira década do XVII, se deu na Vila de São Sebastião, ilha de Terceira. De lá aparecem os Tostes cabeças de linhagem sem qualquer notícia anterior, fixando-se depois em outras freguesias da referida ilha, até que seu primeiro egresso, Antonio Dias Tostes, bisneto de Sebastião Gatto, parta para o ultramar rumo à então capitania das Minas Gerais entre 1730-40.

A costumeira controvérsia acerca desta primeira origem, anterior ao marco açoriano, resvala para pelo menos duas possibilidades, ou mesmo três, que julgo pertinentes ao retraçar histórico da ancestralidade mais fidedigna. A primeira delas, posso assinalar, parte de uma hipótese ainda insipiente que remonta aos catalães dos Pirineus, documentados desde o século X em Mirón de Tost, castelão de uma fortaleza do mesmo nome, que fora pai do grande visconde de Áger, Arnau Mir de Tost, que como vassalo e genro do Conde de Urgel, Ermengol VII, pelejou muito em lutar contra os mouros valencianos, conquistando a seu senhor a maior parte dos territórios da Lérida ocidental e que em troca o tornou feudatário de diversos castelos na fronteira. No entanto, este insigne personagem de seu tempo não teve uma descendência varonil, legando seus privilégios e sua dinastia viscondal a um de seus netos em linha feminina da casa de Pallars. Provalvemente, a persistência do nome de família Tost tenha vingado pelos colaterais do visconde de Áger, como por Dacó Miron de Tost, um de seus irmãos bastardos, ou por Borrel de Tost, cuja única notícia que tivemos indica ter ele recebido uma castelania do visconde Arnau. Porém, o problema com esta origem não vem com a continuidade que tenha sido dada ao nome familiar, pois tanto é assim, que vários são os Tost que em nosso tempo vivem em Catalunha, existindo até mesmo uma família oriunda de lá que se fixou na capital de São Paulo. A maior dificuldade que nos pesa neste ponto ainda é a de estabelecer uma conexão segura do grupo açoriano com esses prováveis ancestrais catalães.

Assim, a posição privilegiada do arquipélago, que durante todo o século XVI serviu de entreposto para as rotas que iam a oriente e a costa de África pelo atlântico, implica uma multiplicação considerável dos grupos que se podem ter fixado nas ilhas. O grupo catalão tem vantagens notáveis neste momento, pois sua grande mobilidade pelo mediterrâneo, e sua destacada frota marinheira sob comando dos reis aragoneses atingia um lastro que pelo menos nos garantiria a hipótese de uma ponte catalã-açoriana. Quanto à variação onomástica, por razões que se poderiam facilmente verificar, não seria incerto pensar numa forma transgressiva do nome, em que o Toste fosse corruptela moderna do catalão Tost.


Mas é claro que uma perspectiva dessas – enquanto restar carente de elementos mais concretos que o simples cálculo migratório de um grupo linhagístico –, não pode receber senão o status de mera provocação à pesquisa.

[*prossegue]


Por Rogerio R. Tostes.

12 comentários:

AngelTOSTES disse...

Galera vamos atualizar o blog e incrementar essa família.

ANGEL Tostes disse...

Onde está o Rogério?

Thamires disse...

Gostaria de saber mais. Tambem sou Tostes e estou tentando fazer minha arvore genealogica mas conheço bem pouco da historia da minha familia. Podem me ajudar?

Silvany Alencar disse...

Tambem sou da família Tostes e estou tentando fazer minha arvore genealógica da minha familia. Podem me ajudar?

Club Penguin NEWS disse...

Eita, existem muitos Tostes pelo mundo.. Ainda conhecendo eles..

Alan Emmel disse...

Nossa Família está dominando o Brasil é Tostes na Área.

Fernando tostes disse...

Também sou mais um nessa história do tostes

Fernando tostes disse...

Também sou mais um nessa história do tostes

Unknown disse...

Também sou Tostes

jully katly disse...

Eu também sou uma Tostes... :)
estamos todos conectados kk

Wog disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Cleiton Renei disse...

Aqui mais um toste ,cleiton renei Vieira Toste

Ruínas da Igreja de Sant Martí de Tost

Ruínas da Igreja de Sant Martí de Tost
Fonte: Página do Grupo da Família Tostes - http://br.groups.yahoo.com/group/familia_tostes/

Cadastre-se no Grupo Família Tostes no Yahoo!

Assinar familia_tostes

Desenvolvido por br.groups.yahoo.com